Lar novo lar: O início de uma nova vida

19:52



Nos primeiros anos da escola aprendemos o que é metamorfose e vemos o exemplo da borboletinha, que no princípio era uma lagarta, que se isolou no seu casulo e ganhou asas para viver no mundo. É assim que eu me sinto hoje, prestes a ganhar o meu par de asas para sair de casa e ir viver em um novo mundo, numa nova casa (que ainda não é a minha, comprada).

O sonho de toda menina é casar, mobiliar a casa conforme as revistas do estilo e viver como as madames de novelas que ocupam o horário nobre. Na verdade as coisas nem sempre acontecem assim, você precisa planejar muito, trabalhar muito e ter muito jogo de cintura para ter uma casinha. Não como aquela casa que você sempre sonhou, mas aquela que o seu bolso pode bancar. Nesses momentos aprendemos o quão caro é ter uma casa e nessas reflexões damos valor ao nosso sofá, a TV e até o cabo da internet passa a ser um objeto valorizado e que nunca esteve na sua lista de coisas importantes na casa.

Encontrar o amor da sua vida pode ser uma boa desculpa para pensar em largar o casulo seguro da sua mãe e passar a ter responsabilidades de ganhar o mundo e conquistar uma nova vida. Agora eu aprendi que existem facas de diversos tipos e utilidades, que não comprar na primeira loja que você entra pode ser uma oportunidade de encontrar preços baratos e descobri objetos de cozinha que eu nem lembrava que existia, como abridor de garrafas.

Quando estamos no lar onde crescemos, estamos acostumados e achamos que tudo que nos rodeia sempre esteve ali, quando na verdade os nossos pais ralaram muito para conquistar tudo que hoje faz parte do nosso conforto. Não consigo olhar a minha mãe como eu a enxergava antes de começar a comprar as coisas da minha casa. Hoje eu entendo que ter três empregos e ficar longe dos filhos era mesmo necessário para que eu estudasse em escola particular e pudesse sonhar com o que hoje eu realizo.

Aqui estreia a TAG Lar Novo Lar aqui no blog, onde darei dicas entre desabafos para quem vai deixar o casulo e passar a morar só (ou acompanhado, mas longe do afago materno). Espero que vocês tenham gostado desse bate-papo inicial e que estejam preparados para as postagens semanais!

Um beijo,
Geo

Você também poderá gostar

2 comentários